Despedido por dizer mal da empresa no Facebook

Sentença inédita: Tribunal dá razão a empregador no primeiro caso que implica o uso de redes sociais.

O "Jornal de Notícias" escreve na sua edição de hoje que "pela primeira vez em Portugal foi proferida uma sentença sobre um trabalhador despedido por comentários no Facebook. O tribunal deu razão à empresa, rejeitando a impugnação do despedimento"

Segundo o jornal, "o trabalhador foi despedido por justa causa em janeiro por publicar numa página do Facebook comentários (vulgo posts) considerados pelo juiz como ofensivos da imagem, dignidade e bom nome da Esegur - Empresa de Segurança, dos responsáveis e de alguns colaboradores. O funcionário, com funções de vigilante e delegado sindical, era o administrador de um grupo privado criado naquela rede social com o nome "trabalhadores na Esegur", no qual participavam 140 membros, todos trabalhadores ou ex-trabalhadores da empresa. A sentença do Tribunal de Matosinhos, a que o jornal teve acesso, é pioneira na matéria. Até aqui, os casos que haviam chegado a tribunal terminaram por acordo".

Conforme adianta o jornal, "entre setembro e dezembro de 2012, o vigilante publicou vários posts acusando a empresa de o humilhar e calar, dizer mentiras, de ordenar perseguições. Classificou alguns colegas como "analfabetos", apelidou os delatores dos comentários de "imbecis" e colocou imagens de palhaços para retratar os seus superiores".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".