Despedido por dizer mal da empresa no Facebook

Sentença inédita: Tribunal dá razão a empregador no primeiro caso que implica o uso de redes sociais.

O "Jornal de Notícias" escreve na sua edição de hoje que "pela primeira vez em Portugal foi proferida uma sentença sobre um trabalhador despedido por comentários no Facebook. O tribunal deu razão à empresa, rejeitando a impugnação do despedimento"

Segundo o jornal, "o trabalhador foi despedido por justa causa em janeiro por publicar numa página do Facebook comentários (vulgo posts) considerados pelo juiz como ofensivos da imagem, dignidade e bom nome da Esegur - Empresa de Segurança, dos responsáveis e de alguns colaboradores. O funcionário, com funções de vigilante e delegado sindical, era o administrador de um grupo privado criado naquela rede social com o nome "trabalhadores na Esegur", no qual participavam 140 membros, todos trabalhadores ou ex-trabalhadores da empresa. A sentença do Tribunal de Matosinhos, a que o jornal teve acesso, é pioneira na matéria. Até aqui, os casos que haviam chegado a tribunal terminaram por acordo".

Conforme adianta o jornal, "entre setembro e dezembro de 2012, o vigilante publicou vários posts acusando a empresa de o humilhar e calar, dizer mentiras, de ordenar perseguições. Classificou alguns colegas como "analfabetos", apelidou os delatores dos comentários de "imbecis" e colocou imagens de palhaços para retratar os seus superiores".

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

O Mourinho dos Mourinhos

"Neste país todos querem ser Camões mas ninguém quer ser zarolho", a frase é do Raul Solnado e vem a propósito do despedimento de José Mourinho. Durante os anos de glória todos queriam ser o Mourinho de qualquer coisa, numa busca rápida encontro o "Mourinho da dança", o "Mourinho da política", o "Mourinho da ciência" e até o "Mourinho do curling". Os líderes queriam ter a sua assertividade, os homens a sexyness grisalha e muitas mulheres queriam ter o Mourinho mesmo.