Cordeiro deixa Património por "divergências profundas"

A diretora-geral do Património Cultural, organismo que tem a seu cargo a gestão dos museus, palácios e património mundial em Portugal, fala em "divergências profundas" de estratégia para não continuar.

O "Público" escreve hoje que "até que chegue a nova equipa, Isabel Cordeiro vai continuar no seu gabinete no Palácio da Ajuda, a reunir-se com os técnicos e a resolver problemas como no primeiro dia. Não sabe ainda quando vai ser substituída como diretora-geral do Património, cargo que ocupa há 14 meses e para o qual foi lançado um concurso público a 27 de Dezembro (termina a 10 de Janeiro). O que sabe é que não vai candidatar-se ao lugar, decisão que tomou em finais de Outubro, depois de "grande ponderação".

Segundo o jornal, "a ainda responsável pela Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), organismo que tem a seu cargo a gestão direta de museus e palácios nacionais e do património mundial em Portugal, bem como a supervisão de 4000 imóveis classificados afirma que "há divergências profundas em relação às estratégias para o património". Sem querer dar exemplos e afastando qualquer "desentendimento pessoal" com o atual secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier, Cordeiro diz que "saio por uma questão de lealdade para comigo e para com o projeto que quis construir com as equipas desta casa. As divergências são exclusivamente de ordem técnica e têm a ver com aquilo que entendo serem as competências da DGPC e as suas linhas de atuação".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.