Compensações pagas pelos consumidores valem até um terço dos resultados da EDP

Concorrência faz as contas ao impacto dos CMEC no resultado antes de impostos da EDP, que em 2012 atingiu 1465 milhões de euros.

O "Jornal i" escreve hoje que "as compensações pagas através das tarifas elétricas ás centrais da EDP representaram quase um terço do resultado antes de impostos da empresa no ano passado, que totalizaram 1465 milhões de euros. Estas compensações, de 475 milhões de euros, pagas pelos consumidores, e que alguns consideram excessivas, resultam da aplicação dos CMEC (custos de manutenção do equipamento contratual), um mecanismo criado para compensar as centrais da EDP quando as receitas obtidas em mercado ficam abaixo de um determinado nível".

Segundo o jornal, "o regulador (Autoridade da Concorrência) pede uma auditoria independente para apurar a dimensão dos auxílios concedidos no ano passado em excesso, face aos que teriam sido atribuídos caso os CMEC tivessem regras mais eficientes. A AdC estima que as margens brutas das centrais que beneficiavam deste regime tenham registado valores maiores ou iguais a 900 milhões de euros anuais. Sem o efeito do CMEC, a margem bruta de operação das centrais teria variado, a partir de 2008, entre 410 e 682,3 milhões de euros. Ou seja, a margem adicional dada pelos CMEC e paga via tarifas variou entre 217 e 490 milhões de euros anuais. Segundo a Concorrência, o mecanismo usado para compensar as receitas da produção das centrais da EDP permite à elétrica "ampliar a vantagem económica sobre os seus concorrentes, ampliando a distorção da concorrência que decorre do próprio auxílio".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.