Christie's pode avançar para venda direta dos Miró

O jornal teve acesso ao caderno de encargos para o leilão das obras de Miró. Caso o leilão falhe, a Christie's pode avançar para a venda direta dos quadros, mas o Estado garante no mínimo 35 milhões de euros.

O "Diário Económico" escreve hoje que "a leiloeira Christie's poderá vender diretamente qualquer das 85 obras de Miró que pertenciam ao BPN, caso não venham a ser alienados em leilão. E garante à Parvalorem, que detém a coleção, um preço mínimo de 35 milhões de euros. A possibilidade está prevista no caderno de encargos do procedimento de ajuste direto relativo ao contrato de prestação de serviço para colocação de obras de arte em leilão".

Segundo o jornal, "sabe-se agora, pela primeira vez, que afinal as obras do artista catalão poderão ser alienadas fora do leilão caso não sejam vendidas através desta opção que o Executivo tem defendido ser a que assegura maior "transparência" e "igualdade de oportunidades". O caderno de encargos refere no artigo 8 que "o prestador poderá, no prazo e condições que venham a ser acordadas, proceder á venda, fora do leilão, de qualquer bem não vendido em leilão, por preço não inferior ao preço mínimo de venda acordado, acrescido de todas as taxas ou comissões aplicáveis".l

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.