Christie's pode avançar para venda direta dos Miró

O jornal teve acesso ao caderno de encargos para o leilão das obras de Miró. Caso o leilão falhe, a Christie's pode avançar para a venda direta dos quadros, mas o Estado garante no mínimo 35 milhões de euros.

O "Diário Económico" escreve hoje que "a leiloeira Christie's poderá vender diretamente qualquer das 85 obras de Miró que pertenciam ao BPN, caso não venham a ser alienados em leilão. E garante à Parvalorem, que detém a coleção, um preço mínimo de 35 milhões de euros. A possibilidade está prevista no caderno de encargos do procedimento de ajuste direto relativo ao contrato de prestação de serviço para colocação de obras de arte em leilão".

Segundo o jornal, "sabe-se agora, pela primeira vez, que afinal as obras do artista catalão poderão ser alienadas fora do leilão caso não sejam vendidas através desta opção que o Executivo tem defendido ser a que assegura maior "transparência" e "igualdade de oportunidades". O caderno de encargos refere no artigo 8 que "o prestador poderá, no prazo e condições que venham a ser acordadas, proceder á venda, fora do leilão, de qualquer bem não vendido em leilão, por preço não inferior ao preço mínimo de venda acordado, acrescido de todas as taxas ou comissões aplicáveis".l

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.