Câmaras vão ter estágios para desempregados

O Governo alargou às câmaras a possibilidade de recrutar estagiários por um ano a custo muito baixo. O valor pago pelo Estado, previsto no programa Impulso Jovem, varias entre os 419 euros, para quem não concluiu o ensino secundário, e os 692 euros, para licenciados. A medida permitirá ao Governo melhorar os mais níveis de execução do programa e dá aos autarcas uma ferramenta de gestão importante, sobretudo em ano de eleições.

De acordo com a edição de hoje do "Jornal de Negócios", em ano de eleições autárquicas, as câmaras municipais vão poder ir aos centros de emprego recrutar estagiários qualificados a um custo muito baixo. O Instituto de Emprego e Formação Profissional vai comparticipar até 100% do valor da bolsa, bem como parte dos encargos com alimentação e seguros. A decisão foi tomada no âmbito do programa Impulso Jovem, que arrancou com baixa execução.

"Podem ainda candidatar-se às Medidas Passaporte Emprego e Passaporte Emprego Economia Social as autarquias locais", estabelece a portaria publicada esta semana, que alarga o programa à região de Lisboa. Os estágios passam de seis para 12 meses e poderão abranger todos os desempregados inscritos que tenham entre 18 e 25 anos, independentemente do tempo de inscrição.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.