BPN já nacionalizado concedeu 135 milhões de crédito de risco

A gestão do BPN liderada por Francisco Bandeira concedeu um empréstimo de 135 milhões de euros à SLN Valor, sem garantias que suportassem o financiamento. A operação foi realizada já depois da nacionalização do banco.

O "Diário Económico" escreve na sua edição de hoje que "o Banco Português de Negócios (BPN) concedeu, em 2010, quando estava ainda nas mãos do Estado, um financiamento de 135 milhões de euros à sociedade SLN Valor, tendo como única contrapartida ações de duas sociedades com situação financeira frágil. Este empréstimo - que, com os juros entretanto vencidos, soma agora um total de 159 milhões devidos - é a principal fatia de um pacote de 471,1 milhões de créditos reestruturados recentemente pela Parvalorem".

Segundo o jornal, "esta sociedade foi criada pelo Estado para alocar a carteira de créditos problemáticos e "tóxicos" que ficou fora do universo privatizado do BPN. Os cerca de 3,7 mil milhões de euros (mais mil milhões em juros de mora) são, na sua maioria, a herança deixada pela política de concessão de crédito do banco no tempo de Oliveira Costa, em que muitos financiamentos, concedidos nomeadamente a acionistas da Sociedade Lusa de Negócios (SLN) - antiga dona do BPN -, eram feitos sem as garantias adequadas".

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.