Bancos começaram a baixar spreads na habitação

Desde dezembro, seis dos 12 maiores bancos a operarem no mercado português reduziram os custos no crédito à habitação. Há uma nova tendência que se reflete nos spreads máximos e mínimos.

O "Diário Económico" escreve hoje que "o maior banco português, a Caixa Geral de Depósitos, reviu o spread mínimo na habitação no início deste mês, de 3,5% para 2,5%. E não foi o único. Depois de já terem feito cortes expressivos nos spreads mínimos em dezembro, o Popular e o Crédito Agrícola voltaram a cortar custos apenas quatro meses depois. Uma tendência que começa a ser transversal ao mercado, onde seis dos 12 maiores bancos já reviram os spreads cobrados na habitação desde dezembro. Após mais de dois anos com níveis de spreads historicamente elevados, os sinais de alívio das condições de acesso ao crédito à habitação começam a ganhar tração".

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.