Autódromo do Algarve à beira da insolvência

Dívida de 2,6 milhões de euros é a razão do litígio, que entra hoje numa fase decisiva.

O "Jornal de Negócios" escreve que o Governo de José Sócrates deu-lhe um estatuto de Projeto de Interesse Nacional, a inauguração teve direito a pompa e circunstância, com a presença do então ministro da Economia, Manuel Pinho. Quatro anos depois, uma dívida de um consórcio liderado pela Siemens ameaça levar o Autódromo do Algarve à falência, já muito longe dos planos de trazer o campeonato de Fórmula 1 para Portugal.

O consórcio que juntou a Siemens, a Ensul Meci e a SPIE avançou com um pedido de insolvência da Parkalgar-Parques Tecnológicos de Desportivos SA. Em causa está uma dívida inicial de 1,6 milhões de euros, que já chega aos 2,6 milhões com os juros de mora. Contudo, a empresa dona do Autódromo Internacional do Algarve "está em negociações muito avançadas para chegar a acordo" com o consórcio para o pagamento da dívida.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...