Autarcas fintam limitação de mandatos

Após três mandatos, presidentes das juntas candidatam-se como número dois para depois passarem à liderança, por renúncia do cabeça de lista ou por delegação de funções.

O "Jornal de Negócios" escreve hoje que "José Luís Vaz é presidente da Junta de Freguesia de Aves há 24 anos e isso não o impede de se recandidatar de novo ao mesmo cargo. Apresenta-se como número dois, mas admite que é ele quem vai assumir a presidência, logo que a mulher, que lidera a lista, renuncie ao cargo se vencer as eleições. "Tenho a coragem de assumir que o número um da lista só vai a votos para me permitir subir a esse lugar", diz.

Mas segundo o jornal não é caso único. "Em Carnide, o atual autarca, Paulo Quaresma, está a contar que o número um da lista delegue em si o exercício de funções a tempo inteiro. "Eu não serei o presidente da junta, será outro, mas depois há a distribuição dos tempos inteiros e dos meios tempos. Não tem de ser o presidente da junta a ficar a tempo inteiro. O que nós decidimos é que ficaria eu", confessa o autarca. Ambas as situações referidas podem configurar fraude à lei".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".