Aumentos na luz de 2,8% em 2014 para quem não mudou para mercado liberalizado

A maioria dos fornecedores de energia no mercado livre oferece descontos, mas na maior parte dos casos só são válidos durante um ano.

O "jornal i" escreve hoje que "mais de dois milhões de famílias já estão no mercado liberalizado de eletricidade e este já é responsável por 70% da luz consumida em Portugal. Mas ainda existem consumidores que não fizeram a migração. A verdade é que quem optar por continuar no mercado regulado vai já enfrentar em janeiro uma subida de 2,8% nas tarifas da luz. Feitas as contas, representa um aumento de 1,21 euros por mês numa conta média de 46,50 euros (já com IVA de 23% incluído)".

Segundo o jornal "o que écerto é que os consumidores domésticos têm até ao final de 2015 para escolher o seu novo fornecedor de luz no mercado livre, mas se adiarem essa decisão até lá vão estar sujeitos a estas penalização de tarifas por parte da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE). Caso continue sem negociar um novo contrato no mercado livre, essa "multa" será revista de três em três meses até 31 de dezembro de 2015 pela entidade reguladora".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.