Aumento de capital do BES expõe fragilidades do grupo

O prospecto do reforço de 1.045 milhões do BES faz, ao mesmo tempo, a radiografia dos problemas que o banco enfrentará nos próximos tempos.

O "Diário Económico" escreve hoje que "ações judiciais, interrogações sobre a sucessão, relações com Angola, possíveis abalos nos fundos próprios na transição para o BCE, redefinição acionista, imposições dos reguladores, auditorias que revelam "irregularidades materialmente relevantes" numa das 'holdings' do grupo Espírito Santo. É vasto e simbólico o rol de informação sobre o aumento de capital do Banco Espírito Santo (BES) de 1.045 milhões de euros, cuja subscrição de novas ações arranca na terça-feira. É que, se um prospecto deve, por definição, informar na totalidade o investidor quanto à realidade do ativo em que se prepara para investir, de certa forma o documento ontem divulgado oficializa, pondo por escrito, todda uma nova era na vida do banco da família Espírito Santo Salgado em que não há espaço para a tradicional "discrição" dos banqueiros ou para manter o que quer que seja entre quatro paredes. Uma era em que nada, seja por imposições regulamentares, lutas de poder internas ou sinais dos tempos, poderá ficar como dantes".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".