Assassinos de Marlon usavam coletes à prova de bala

O Gang que assaltou a Queima das Fitas do Porto e acabou por assassinar o estudante universítário Marlon Correia, usava coletes à prova de bala que terão sido furtados à polícia.

O "Correio da Manhã" escreve hoje que "os quatro encapuzados que na madrugada de sábado entraram no recinto da Queima das Fitas do Porto, fortemente armados, usavam coletes à prova de bala que terão sido furtados à polícia. As imagens de videovigilância - já na posse das autoridades - mostram também que este grupo poderia não ter o assalto como alvo prioritário. Embora gritassem "onde está o dinheiro?", a verdade é que facilmente desistiram dos seus intentos. Entraram, dispararam, agrediram, balearam um segurança e fugiram. Quando deixaram o recinto, não sabiam que Marlon Correia estava morto. O jovem estudante universitário encontrava-se no exterior do barracão e tinha sido atingido por uma bala que perfurou a fina parede do pré-fabricado".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.