Aeroporto de Lisboa continua na Portela e vai ser ampliado

Afinal o novo aeroporto de Lisboa é... na Portela. O Governo já estuda a sua ampliação e a redução de voos militares nas imediações para evitar incompatibilidades

O semanário "Sol" escreve que o Governo tem nas mãos um plano para aumentar a capacidade do aeroporto da Portela. E para isso vai avançar com negociações com os militares, pois o projeto passa por alargar o espaço aéreo disponível para os aviões comerciais, diminuindo áreas reservadas à defesa.

O objetivo é passar de 38 para 52 movimentações por hora (descolagens e aterragens). segundo uma fonte governamental, para atingir essa meta será preciso diminuir o impacto das bases militares, admitindo-se a possibilidade de se fechar alguma.

Em cima da mesa das negociações está também a possibilidade de se estabelecerem horas durante o dia em que a Defesa permite a passagem de aviões comerciais na sua zona restrita.

Fonte da Força Aérea diz que este ramo ainda não foi contactado pelo Governo mas, o fecho de bases é, contudo, liminarmente rejeitado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.