Hospitais proibidos de gastar mais remédios

Penalização para as unidades que em 2014 prescreverem mais do que no ano que agora termina. Se receitarem menos, recebem incentivos.

O "Correio da Manhã" escreve hoje que "o Ministério da Saúde quer controlar a despesa pública com os medicamentos prescritos pelos hospitais e vendidos nas farmácias. Para isso, os hospitais serão penalizados financeiramente, em 2014, se prescreverem a mais em relação a 2013, revela o relatório dos Contratos-Programa para o próximo ano".

Segundo o jornal, "de acordo com o documento da Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS), organismo financeiro do Ministério da Saúde, os hospitais receberão incentivos financeiros caso a variação da despesa seja "abaixo da média nacional" (20 por cento da redução absoluta face a 2013). O Ministério da Saúde justifica a medida com o facto de "a prescrição dos medicamentos em ambiente hospitalar vendidos nas farmácias representar cerca de 17 por cento da despesa do Serviço Nacional de Saúde". A tutela reconhece fragilidades nos sistemas de controlo da despesa hospitalar com os medicamentos e justifica a necessidade da contenção da despesa".

Exclusivos