Governo diz que obras de Miró não são prioridade

Esta semana são votadas no Parlamento resoluções do PS e PCP contra a venda de 85 obras de Miró, nacionalizadas com o BPN. Tutela da Cultura diz que não são prioridade para as coleções do Estado.

O "Público" escreve hoje que "a contestação do leilão das 85 obras do catalão Joan Miró (1893-1983), que estão nas mãos do Estado desde a nacionalização do Banco Português de Negócios (BPN), vai chegar ao Parlamento na sexta-feira, quando serão votadas duas resoluções, do PS e do PCP, contra a venda agendada para Fevereiro na Christie's, em Londres. As obras, avaliadas pela leiloeira em cerca de 35 milhões de euros, foram alvo de uma petição na Internet assinada até ontem por mais de 3500 pessoas e que questiona se a necessidade de reduzir o "buraco" do BPN se está a sobrepor aos interesses culturais do País. O secretário de Estado da Cultura afirmou ao "Público" que a aquisição desta coleção não é uma prioridade".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG