Doentes crónicos podem vir a ter um gestor de saúde

Avança hoje o jornal Público que os doentes com mais de cinco patologias crónicas e que são os principais consumidores de recursos devem passar a dispor de um gestor nos centros de saúde, alguém que seja responsável pelo seu acompanhamento personalizado.

Acrescenta o Público que uma melhor supervisão do estado do doente permitirá, a prazo, "controlar o desperdício de recursos", justificam os autores de um estudo esta quinta-feira colocado em consulta pública no Portal da Saúde e em que esta nova figura é proposta.

Estima-se, a nível internacional, que cerca de 6% da população acumule mais de cinco doenças crónicas. Assim, em Portugal seriam necessários cerca de 7500 gestores nos cuidados de saúde primários, se cada um ficasse com cerca de 80 doentes a cargo (as recomendações internacionais apontam para entre 50 a 80 pacientes), refere o relatório final do grupo de trabalho que estudou a integração dos níveis de cuidados de saúde, a que hoje o Público dá destaque.

O documento está em discussão pública até 17 de Maio.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.