Deputada alcoolizada compreende a "irresponsabilidade"

Em entrevista ao jornal "i", a deputada do PS quebra o silêncio para dizer que compreende a indignação para com a sua "irresponsabilidade", mas afirma que o erro que cometeu não a obriga a renunciar ao mandato.

Militante socialista desde os 16 anos, entrou pela primeira vez na Assembleia da República como deputada em 2005, quando o PS chegou ao poder pela mão de José Sócrates. Passou despercebida até há um mês, quando o seu nome chegou aos títulos dos jornais depois de ter acusado uma taxa de 2,41 gramas de álcool por litro de sangue numa operação STOP da PSP em Lisboa.

Em entrevista, Glória Araújo fala pela primeira vez desde a noite do incidente, e revela que era o dia do seu aniversário. A deputada justifica ainda que só tencionava "andar umas centenas de metros, tirar o carro do parque da Assembleia para o estacionar no parque do hotel". A socialista diz ainda que "sabia que tinha consumido bebidas alcoólicas", mas que "não tinha a consciência de que seria aquela taxa". Glória Araújo acrescenta que há infrações que podem ser impeditivas do desempenho da sua função, mas diz que esta, entende que não.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG