Cônsul gastou dinheiro em spas

O vice-cônsul de Portugal em Porto Alegre, no Brasil, Adelino Vera-Cruz Pinto, que está a ser investigado pelo desvio de mais de um milhão de euros da arquidiocese local, terá gasto o dinheiro em spas, hotéis, restaurantes, farmácias e lojas de informática.

Segundo o "Correio da Manhã", que cita fontes ligadas à investigação, o cônsul distribuiu o dinheiro por duas contas, uma no Brasil e outra em Espanha, e os pagamentos eram feitos em cheque. Segundo as mesmas fontes, Vera-Cruz Pinto passou 33 cheques entre Dezembro de 2010 e Março de 2011. A polícia brasileira está a terminar a investigação e deverá enviar, em breve, um relatório para Portugal com a acusação.

O cônsul foi suspenso pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) em Março e regressou a Portugal. Em Abril, O MNE, que conduziu uma investigação própria, entregou o caso ao Ministério Publico. O caso remonta a Dezembro de 2010 quando os padres da igreja de Porto-Alegre depositaram mais de um milhão de euros na conta de Adelino Pinto, como garantia para conseguirem cerca de cinco milhões de euros de uma ONG belga para restaurar igrejas de origem portuguesas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG