Cigarros 'anti-incêndio' já estão à venda e serão obrigatórios

Os cigarros mal apagados são uma das causas de incêndios e uma simples distracção pode causar danos irreparáveis em habitações ou em espaços exteriores. Para atenuar os riscos a Comissão Europeia elaborou em 2010 uma norma de segurança que introduz as alterações no papel para garantir que os cigarros se auto-extingam quando não estão a ser activamente fumados.

Em Portugal já estão no mercado cigarros com requisito LIP (menor propensão para a ignição) e a partir de 17 de Novembro todos os cigarros comercializados na União Europeia terão que cumprir esta exigência.

Uma fonte da Tabaqueira Nacional, citada pelo "Público", a empresa líder do mercado que comercializa marcas como a Marlboro, SG e L&M, adverte que estes cigarros não são "à prova de incêndio". Os fumadores devem ter sempre presente que qualquer cigarro aceso pode provocar um incêndio se for manuseado descuidadamente e não foi vigiado, diz um responsável do gabinete de comunicação.

A Tabaqueira está desde o segundo semestre deste ano a introduzir as novas normas nos cigarros que produz e vai continuar a fazer essa transição até finais de Setembro. "As vendas de cigarros das marcas comercializadas pela Tabaqueira que não satisfaçam o requisito cessarão de forma programada e antecipada, de modo a que o respectivo escoamento no mercado ocorra antes da data de 17 de Novembro de 2011, refere a empresa".

O que muda, diz a Tabaqueira, é essencialmente o papel que envolve os cigarros, sendo que "uma das tecnologias" existentes utilizadas para satisfazer este requisito recorre à utilização de um papel de cigarro com 'bandas'. À AFP, a marca britânica Imperial Tobacco explicou que o papel terá menos micro-perfurações e assim, quando se dá a combustão, o tabaco é menos oxigenado, o que facilita a extinção dos cigarros quando não estão a ser fumados activamente.

Com base na experiência de outros países que já comercializaram estes cigarros e em testes realizados com fumadores adultos, a Tabaqueira garante que "a aplicação dos requisitos LIP não tem impacto ao nível das características de sabor" dos cigarros por si já comercializados.

Este requisito já foi introduzido nos cigarros produzidos na maioria dos estados norte-americanos e também no Canadá, na Austrália e na Finlândia. O requisito LIP não se vai aplicar a cigarros produzidos na União Europeia que se destinem à exportação para outros países, excepto nos casos em que o mercado de exportação imponha a aplicação desta condição.

A Tabaqueira não nega que haverá um aumento dos custos de produção associados à aplicação do requisito LIP, mas diz esperar que esse custo "seja comportável".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG