Câmaras reduziram funcionários em 11%

Autarquias perderam quase 11% do pessoal desde final de 2010. Mas também houve 29 que aumentaram, devido, por exemplo, à integração das empresas municipais.

O "Jornal de Negócios" escreve hoje que "as câmaras foram além da troika na redução de pessoal. Desde o final de 2010 já saíram dos municípios 14.596 trabalhadores, o que equivale a uma redução de 10,76%. É uma trajetória que fica acima do corte para o conjunto de 2012 e 2013 (em 2011 ainda não havia a obrigação de cortar 2%). Mas além das exigências da troika há outras razões que levam os municípios a reduzir pessoal: a quebra das receitas e a devolução de pessoal não docente ás escolas".

De acordo com os dados facultados pelo governo ao jornal, "as câmaras municipais tinham, no final do terceiro semestre deste ano, 121.001 funcionários. No final de 2010, o último ano antes da entrada da troika em Portugal, havia 135.597 trabalhadores nas câmaras municipais. É uma performance que compara positivamente com o período entre 2008 e 2010. Nessa altura, houve um aumento de quase nove mil funcionários, relacionados com a transferência de pessoal não docente. A redução de pessoal nas câmaras cumpriu e superou as exigências da troika, mas também foi uma forma dos autarcas ajustarem as suas despesas a um quadro financeiro mais apertado - quer por causa dos cortes nas transferências do Estado, quer devido á queda de receitas próprias".

Exclusivos