AVC mata 35 portugueses todos os dias

Todos os dias chegam aos hospitais vítimas de AVC, mas só uma pequena parte recorre ao 112. Dos 19 mil que entraram nos hospitais em 2012 com derrame, só 3763 o fizeram através do INEM.

O "Jornal de Notícias" escreve hoje que "só uma em cada cinco vítimas de AVC liga o 112 para ser transportado ao hospital, desconhecendo que essa opção pode estar a agravar o risco de morte e a aumentar as probabilidades de ficar com sequelas para o resto da vida. Os acidentes vasculares cerebrais (AVC), também conhecidos como derrames, são a principal causa de morte em Portugal - matam, em média 35 pessoas por dia, num total de 12 690 mortos em 2011, de acordo com dados recentemente divulgados pela Direção-Geral de Saúde: Mas ainda são muitas as pessoas que não sabem reconhecer os sintomas".

Castro Lopes, presidente da Sociedade Portuguesa do AVC, afirma ao jornal que "o ideal é o doente chegar ao hospital nos primeiros 30 minutos a uma hora após o AVC, de modo a beneficiar da terapêutica fibrinolítica, que tenta restabelecer a circulação sanguínea e travar a morte do maior número de células possível. Este tratamento só tem efeito se for ministrado nas primeiras três a quatro horas após a ocorrência do AVC". diz.

Os sinais de alerta são: Confusão mental, dor de cabeça forte sem causa conhecida, dificuldade na fala, dificuldades de visão de um ou de ambos os olhos, dificuldade de caminhar, tontura ou perda de coordenação e equilíbrio, fraqueza ou dormência na face, braços e pernas, especialmente se isso acontecer só num dos lados do corpo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG