Atraso em concurso custará 4,4 milhões ao Estado

Se o Estado tiver de recorrer ao ajuste direto de meios aéreos de combate a fogos florestais poderá ter de gastar mais 4,4 milhões de euros do que esperava com o polémico concurso que já devia ter sido decidido.

O risco foi antecipado em setembro pelo próprio júri, no âmbito da discussão de um processo contencioso pré-contratual interposto no Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga pela empresa que veio a ganhar o concurso - a Everjets. De acordo com o "Jornal de Notícias", até ontem, nem a Empresa de Meios Aéreos nem o Ministério da Administração Interna (que decidira extingui-la até ao final do ano passado), tinham recebido o relatório final do júri do concurso, mantendo a decisão de não se pronunciar sobre o processo.

O concurso para a locação, a operadores privados de trabalho aéreo, de 25 aeronaves complementares aos nove helicópteros da EMA tem sido objeto de polémica, com troca de acusações de irregularidades entre os dois concorrentes - a Everjets, um pequeno operador recente, e o consórcio liderado pela Heli-portugal, que já costuma alugar meios ao Estado.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG