32 mil famílias deixaram de conseguir pagar os créditos

O incumprimento dos portugueses está a disparar com o agravamento da crise económica e financeira. Só no primeiro semestre deste ano, 31.959 famílias deixaram de pagar as prestações do crédito à habitação e ao consumo.

Segundo o "i", isto significa que, por dia, 176 famílias entraram em incumprimento, mais de 29% que no primeiro semestre do ano passado - ou mais 40 famílias por dia. Os dados foram divulgados pelo Banco de Portugal.

No total, 660.762 famílias tinham prestações de crédito em atraso em Junho, ou seja, 14.3% do total de portugueses com empréstimos contraídos junto da banca (4.62 milhões de famílias) não conseguia honrar os seus compromissos, um agravante face aos 13.8% no final de 2010.

O aumento do incumprimento reflecte as restrições orçamentais crescentes das famílias. O aumento do desemprego e dos impostos, a par da redução dos salários, levam as famílias a confrontar-se com quebras do rendimento disponível, que as impedem de cumprir algumas das suas obrigações financeiras.

Até ao final de Setembro o Banco de Portugal vai melhorar a informação sobre empréstimos em incumprimento, uma imposição da troika, ao mesmo tempo que o governo vai constituir um grupo de trabalho para preparar planos de contingência contra o elevado endividamento dos particulares e das empresas.

Para já, o programa de emergência social, apresentado pelo Ministério da Solidariedade e Segurança Social, prevê que algumas das casas entregues aos bancos por incumprimento das famílias sejam disponibilizadas no mercado social de arrendamento, com preços abaixo da média do mercado.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG