Moniz defende venda da Media Capital à PT

O director-geral da TVI, José Eduardo Moniz, considerou hoje que a venda de parte da Media Capital à Portugal Telecom abre novas oportunidades para os conteúdos do grupo e favorece o crescimento da estação de televisão.

Em comunicado hoje divulgado na Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), José Eduardo Moniz defende "a eventual associação [da Media Capital] a uma empresa de telecomunicações de grande dimensão em Portugal e no estrangeiro", referindo que isso pode proporcionar novas oportunidades à TVI.

"Numa perspectiva estrita de negócio, pode proporcionar a uma estação de televisão líder a abertura de novas oportunidades para a geração de conteúdos e o alargamento da sua capacidade de oferta, favorecendo o seu crescimento nos mercados nacional e internacional", acrescenta.

A Prisa confirmou hoje estar em negociações para vender parte da Media Capital à Portugal Telecom, explicando que o negócio visa impulsionar o grupo nos mercados internacionais e, particularmente, nos países de língua portuguesa.

Segundo adianta na Comissão de Valores do Mercado Mobiliário, o conselho de administração da Media Capital foi informado das negociações numa reunião hoje realizada, sendo que o eventual acordo visa um "mútuo interesse empresarial".

"Trata-se duma operação que gera oportunidades extraordinárias de futuro para a Media Capital, para o crescimento das suas actividades, potenciando a sua capacidade de competir, a sua relação directa com 280 milhões de luso falantes e o seu acesso a outros mercados", avançou o director-geral da Prisa e administrador da Media Capital, Manuel Polanco.

Também o administrador delegado da Media Capital, Bernardo Bairrão, defendeu a entrada da Portugal Telecom na estrutura accionista do grupo dono da TVI já que isso "permite pensar em planos de médio e de longo prazo para melhor responder, a partir de qualquer plataforma tecnológica, à procura de conteúdos".

 

PMC.

Lusa

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?