Vale e Azevedo arrisca até 18 anos de prisão

O juiz da 5.ª Vara Criminal do Tribunal da Boa Hora, em Lisboa, Renato Barroso, sustenta que João Vale e Azevedo não pode usufruir de liberdade condicional e dá conta de que o advogado, ex-presidente do Benfica, se arrisca a cumprir uma pena de prisão até 18 anos em cúmulo jurídico. Renato Barroso reagiu, assim, a dois requerimentos intentados pela defesa de João Vale e Azevedo , mais concretamente por José António Barreiros e também pelo britânico Edward Perrott. Este último é um dos defensores dos interesses legais do causídico em Inglaterra, onde Vale e Azevedo , actualmente suspenso do exercício da profissão, se encontra neste momento a residir.

O juiz da 5.ª Vara Criminal do Tribunal da Boa Hora foi explícito, quando confrontado pela agência Lusa, ontem. “Os requerimentos foram indeferidos”, disse Renato Barroso. Já em sede da defesa de João Vale e Azevedo , cujo mandado de detenção europeu, já autorizado pelo Tribunal da Boa Hora, está há alguns Requerimentos da defesa foram indeferidos dias em Londres, a capital inglesa (as autoridades britânicas procedem agora à averiguação dos factos), José António Barreiros solicitou a nulidade do “processo Dantas da Cunha”, o qual remonta a Outubro de 2006.

Pediu, ao mesmo tempo, a nulidade dos mandados de detenção recentemente emitidos contra Vale e Azevedo . Ainda em matéria da defesa do ex-presidente do Benfica, os representantes de João Vale e Azevedo em Inglaterra colocaram em causa algumas questões relacionadas com o cúmulo jurídico (a soma das penas parcelares relativamente às sentenças já transitadas em julgado), tendo invocado que o antigo dirigente máximo do Benfica já tinha cumprido uma pena de prisão de seis anos. Algo que, vincou Renato Barroso, não corresponde à verdade: “ Vale e Azevedo só cumpriu três anos e meio de cadeia.

O restante tempo esteve em liberdade condicional.” João Vale e Azevedo permanece, por agora, em Londres, onde aguarda por uma posição das autoridades britânicas quanto ao mandado de detenção europeu já na posse dos elementos da polícia inglesa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...