Grammys batem resignação de Bento XVI no Twitter

Os "Grammys" eram o principal tópico de conversa hoje entre portugueses no Twitter, relegando os tópicos "Pope" ou "Papa" para posições modestas.

Entre as 25 "hashtags" (chave de classificação de mensagens) mais frequentes nas últimas doze horas, "Grammys" é número um, horas depois da atribuição dos prémios musicais norte-americanos, e o primeiro tópico relacionado com a renúncia papal surge apenas em 5.º lugar - "#piadassobreopapa".

"O papa só tem de dar 15 dias à casa? #piadassobreopapa", escrevia a utilizadora claudia_dias há cerca de duas horas.

"#PiadasSobreOPapa O papa resignou pq chumbou na renovação da carta do papa-mobile", "tuitou" a utilizadora Claudia_Raquel.

A contabilização das chaves é feita pelo site TwitterPortugal e inclui apenas as mensagens de perto de 85 mil seguidores desta "linha".

A chave "#pope" (papa em inglês) é a sétima mais frequente, sobretudo pelos "retweets" de media estrangeiros, com artigos online.

Alguns aproveitaram a "deixa" papal para fazer política.

"Cavaco, Passos, Relvas e Gaspar, sigam o Papa. #Pope", dizia há cerca de duas horas mruiandre, referindo-se ao presidente da República, primeiro-ministro e outros governantes.

Na chave "papa", encontram-se diversos elogios à atitude de Bento XVI.

"O #Papa deu hoje uma verdadeira lição de determinação, coragem e respeito pelo Instituto que representa. Que nos sirva de exemplo!", escreveu pespsanto.

"Grande Homem #PapaBentoXVI", disse sofiaarpm.

Também aqui, o humor, mais ou menos conseguido, encontra-se em muitas das mensagens trocadas.

"Papa Bento XVI resigna. Pinto da Costa está na calha. #vaticano #papa", escreveu carlossousa_arq, referindo-se ao presidente do Futebol Clube do Porto, conhecido pela alcunha de "papa" no meio futebolístico.

O papa Bento XVI, 85 anos, anunciou hoje, durante um consistório no Vaticano, a sua resignação a partir de 28 de fevereiro devido "à idade avançada".

Um novo papa será escolhido até à Páscoa, a 31 de março, disse o porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi, anunciando que um conclave deve ser organizado entre 15 e 20 dias após a resignação do pontífice.

O último chefe da Igreja Católica a renunciar foi Gregório XII, no século XV (1406-1415).

Como seria de esperar, "Pope" é uma das maiores pesquisas do Google, com mais de 100 mil pesquisas nas últimas horas.

O site Trendsmap permite uma visão panorâmica dos tópicos de conversa mais "quentes" no Twitter neste momento, mas não inclui Portugal.

No mapa, as palavras "pope", "resign" dominam na América do Norte, enquanto a sul destacam-se "Benedicto XVI" ou "Renuncia".

O site WhatTheTrend permite ver os principais tópicos por país, mas mais uma vez Portugal não é contado.

Na Irlanda, Espanha ou Itália, a renúncia é o principal tema, bem como os países sul-americanos e muitos não católicos, como a Austrália.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.