Católicos portugueses desafiados a exibir 400 mil cartazes de agradecimento a Bento XVI

Um grupo de leigos católicos financiou e distribuiu gratuitamente 400 mil cartazes de agradecimento a Bento XVI, desafiando a população a exibi-los nas janelas das suas habitações.

"Os cartazes já foram distribuídos e deverão estar a ser colocados nas casas pelas pessoas", disse à agência Lusa um dos promotores da iniciativa, Francisco Noronha de Andrade, sublinhando que "as imagens foram mostradas ao cardeal patriarca [de Lisboa, José Policarpo], que gostou e disse que se avançasse".

As paróquias de Caldas da Rainha, São João de Deus e Nossa Senhora do Amparo de Benfica (Lisboa), de Oeiras e Cascais, bem como o Patriarcado de Lisboa, assumem-se como centros de distribuição dos exemplares, que também poderão ser levantados em Fátima.

"A ideia surgiu no início da Quaresma entre um grupo de leigos na paróquia de São João de Deus e tem o significado de um gesto simples de agradecimento", destacou Francisco Noronha de Andrade.

Uma das fotografias dos cartazes mostra o papa durante a sua visita a Portugal em maio de 2010 a rezar no Santuário da Cova da Iria, diante da imagem de Nossa Senhora de Fátima.

Bento XVI, 85 anos, anunciou a 11 de fevereiro que iria resignar na próxima quinta-feira, dia 28.

O anúncio da renúncia provocou surpresa na maioria dos bispos portugueses, que assinalaram "a coragem, lucidez e generosidade da decisão do papa", como foi o caso do cardeal patriarca de Lisboa.

Para José Policarpo, a resignação quebrou "o tabu de que o papa era intocável" e eterno na função, e a decisão "faz História" ao abrir um precedente para os seus sucessores.

O último chefe da Igreja Católica a renunciar foi Gregório XII, no século XV (1406-1415).

Durante o mês de março, os 116 cardeais eleitores reúnem-se em conclave para decidir o sucessor de Bento XVI.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.