Católicos portugueses desafiados a exibir 400 mil cartazes de agradecimento a Bento XVI

Um grupo de leigos católicos financiou e distribuiu gratuitamente 400 mil cartazes de agradecimento a Bento XVI, desafiando a população a exibi-los nas janelas das suas habitações.

"Os cartazes já foram distribuídos e deverão estar a ser colocados nas casas pelas pessoas", disse à agência Lusa um dos promotores da iniciativa, Francisco Noronha de Andrade, sublinhando que "as imagens foram mostradas ao cardeal patriarca [de Lisboa, José Policarpo], que gostou e disse que se avançasse".

As paróquias de Caldas da Rainha, São João de Deus e Nossa Senhora do Amparo de Benfica (Lisboa), de Oeiras e Cascais, bem como o Patriarcado de Lisboa, assumem-se como centros de distribuição dos exemplares, que também poderão ser levantados em Fátima.

"A ideia surgiu no início da Quaresma entre um grupo de leigos na paróquia de São João de Deus e tem o significado de um gesto simples de agradecimento", destacou Francisco Noronha de Andrade.

Uma das fotografias dos cartazes mostra o papa durante a sua visita a Portugal em maio de 2010 a rezar no Santuário da Cova da Iria, diante da imagem de Nossa Senhora de Fátima.

Bento XVI, 85 anos, anunciou a 11 de fevereiro que iria resignar na próxima quinta-feira, dia 28.

O anúncio da renúncia provocou surpresa na maioria dos bispos portugueses, que assinalaram "a coragem, lucidez e generosidade da decisão do papa", como foi o caso do cardeal patriarca de Lisboa.

Para José Policarpo, a resignação quebrou "o tabu de que o papa era intocável" e eterno na função, e a decisão "faz História" ao abrir um precedente para os seus sucessores.

O último chefe da Igreja Católica a renunciar foi Gregório XII, no século XV (1406-1415).

Durante o mês de março, os 116 cardeais eleitores reúnem-se em conclave para decidir o sucessor de Bento XVI.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.