Bispos norte-americanos dizem que resignação é "sinal de grande preocupação" com a Igreja

Os bispos norte-americanos consideraram hoje a resignação do Papa Bento XVI, aos 85 anos, "mais um sinal da sua grande preocupação com a Igreja". "Estamos tristes por ele ter resignado, mas agradecidos pelos seus oito anos de liderança altruísta como sucessor de São Pedro", disse o presidente da Conferência Episcopal dos Estados Unidos, cardeal Timothy Dolan, de Nova Iorque.

O papa Bento XVI anunciou hoje, durante um consistório no Vaticano, a sua resignação a partir dia 28 de fevereiro devido "à idade avançada".

Um novo papa será escolhido até à Páscoa, a 31 de março, disse o porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi, anunciando que um conclave deve ser organizado entre 15 e 20 dias após a resignação do pontífice.

"A sua resignação é mais um sinal da sua grande preocupação com a Igreja", acrescentou Dolan, que falava em nome dos bispos norte-americanos.

O cardeal abordou ainda os escândalos relacionados com o abuso sexual de crianças que afetaram a Igreja dos Estados Unidos durante o pontificado de Bento XVI, lembrando a sua deslocação a Washington em 2008.

"Trouxe um coração ouvinte às vítimas de abuso sexual por clérigos ", disse o cardeal.

A renúncia de Bento XVI surge numa altura em que nos Estados Unidos se debate a cobertura da contraceção pelos seguros de saúde, o direito ao aborto e ao casamento de pessoas do mesmo sexo.

"O Papa Bento XVI citava frequentemente o significado da verdade eterna e alertava para a ditadura do relativismo. Valores como a vida, sobrepõem-se a quaisquer outros, ensinou ele uma e outra vez. É uma mensagem para a eternidade", sublinhou Dolan.

O papa Bento XVI, 85 anos, anunciou hoje, durante um consistório no Vaticano, a sua resignação a partir dia 28 de fevereiro devido "à idade avançada".

Um novo papa será escolhido até à Páscoa, a 31 de março, disse o porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi, anunciando que um conclave deve ser organizado entre 15 e 20 dias após a resignação do pontífice.

O último chefe da Igreja Católica a renunciar foi Gregório XII, no século XV (1406-1415).

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG