Bento XVI aprova decreto para antecipar conclave

O Papa, que vai resignar na quinta-feira, aprovou um "motu proprio" (decreto) para dar "a possibilidade de antecipar" o conclave de cardeais que vão eleger o sucessor. Este será o único a ter acesso ao relatório sobre a fuga de informação no Vaticano.

"Deixo aos cardeais a possibilidade de antecipar o início do conclave, uma vez que todos estejam presentes, ou o adiamento, em caso de motivos graves, da eleição por alguns dias", indicou Bento XVI.

Neste decreto, o Papa lembra que o prazo normal para a realização de um conclave é no mínimo de 15 dias e no máximo de 20, após o início do período de Sé vacante.

O porta-voz do Vaticano anunciou ainda que o relatório sobre as fugas de informação de documentos confidenciais será transmitido apenas ao futuro papa. O padre Federico Lombardi negou assim as notícias da imprensa italiana que levantavam a hipótese de este poder ser transmitido aos cardeais.

"O Papa decidiu que as atas, que só ele conhece, ficarão exclusivamente à disposição do seu sucessor", indicou numa conferência de imprensa de Federico Lombardi.

Bento XVI recebeu a comissão de três cardeais - o espanhol Julian Herranz, o eslovaco Josef Tomko e o italiano Salvatore De Giorgi - que desde abril investiga o escândalo de fuga de documentos secretos.

"Após a conclusão dos seus trabalhos, o Papa deseja felicitá-los pelos resultados e exprimir a sua satisfação. Além das falhas humanas que caracterizam qualquer instituição, a sua investigação mostra a generosidade, retião e o espírito de serviço que existe na Santa Sé, apoiando a missão que Cristo confiou ao sucessor de Pedro", acrescentou Lombardi.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG