O líder do movimento "skinhead" português

Militante do PNR, Mário Machado é a figura carismática do movimento skinhead português, tendo sido responsável pela sua adesão à Hammerskin Nation, em Janeiro de 2005.

Segurança de profissão, Mário Rui Valente Machado, de 34 anos, é a figura carismática do movimento skinhead português. Tomou contacto com a extrema-direita aos 13 anos no estádio José Alvalade, onde acompanhava os jogos junto da Juventude Leonina, aderindo aos 15 anos a uma organização nacionalista.

Rapidamente se tornou figura de proa do movimento skinhead, ascendendo à liderança da Frente Nacional, considerada a facção mais radical dos skinheads portugueses. Fundador da Irmandade Ariana-Portugal, esteve na base do pedido de adesão, feito em 2002, à Hammerskin Nation - uma das mais conhecidas organizações internacionais de extrema-direita - que se concretizou em 29 de Janeiro de 2005, passando a liderar os Portugal Hammerskins (PHS), Capítulo Português da organização.

Militante do PNR (Partido Nacional Renovador), Mário Machado orgulha-se de ter sido considerado militante activista do ano, em 2005, pela direcção do partido. Além de assinar o blogue Homem Lobo, o líder nacionalista é ainda um dos administradores do site Fórum Nacional onde é acusado de difundir textos de cariz racista e xenófobo.

Embora não se considere racista, Mário Machado diz-se admirador de Hitler e aponta o Mein Kampf como referência. Tem como ídolos, entre outros, Viriato, Afonso Henriques, Léon Degrelle e Rudolf Hess. Considera que Salazar era um homem "honesto mas de horizonte limitado", criticando a neutralidade assumida por Portugal durante a II Guerra Mundial onde, em sua opinião, o País deveria ter avançado para o "sonho do nacionalismo europeu e da construção da Europa das Pátrias do III Reich".

Com ficha aberta em várias polícias europeias, Mário Machado tem um longo cadastro, em que se destaca o cumprimento de uma pena de prisão efectiva de quatro anos e três meses pelo envolvimento na morte de Alcindo Monteiro, jovem cabo-verdiano espancado até à morte por um grupo de skinheads no Bairro Alto, a 10 de Junho de 1995. Foi igualmente condenado a nova pena de três anos e meio de prisão por extorsão, sequestro e posse ilegal de armas, tendo saido em liberdade com pena suspensa.

Em Junho de 2006 voltou a ser detido por posse de armas ilegais, depois de as ter exibido numa reportagem da RTP onde defendeu a luta armada dos nacionalistas portugueses no caso do Estado não conseguir assegurar a defesa das populações.

Na sequência de uma investigação da Polícia Judiciária, em Abril de 2007, Mário Machado é detido juntamente com outros 35 skinheads e acusado de 17 crimes, incluindo alegadas ameaças ao jornalista Daniel Oliveira, ao humorista Ricardo Araújo Pereira e à magistrada Cândida Vilar. Após ter passado 13 meses em prisão preventiva, é finalmente condenado (4 de Outubro de 2008) a quatro anos e dez meses de prisão por crimes como discriminação racial e ofensa à integridade física.

A 19 de Fevereiro de 2010, Mário Machado é novamente condenado a oito meses de prisão efectiva num processo onde foi acusado, com outro arguido, de ameaça, coacção e difamação à procuradora Cândida Vilar.

A 17 de Agosto de 2010, é condenado pelo tribunal de Loures a sete anos e dois meses de prisão por crimes de sequestro, roubo e coacção, sendo que nenhum dos factos provados está relacionado com a ideologia política da extrema-direita.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...