Tribunal alivia crimes a Mário Machado

Tribunal de Loures alterou qualificação jurídica dos ilícitos imputados ao 'skin'. Crime de rapto mudou para sequestro.

A pena a aplicar a Mário Machado, e a outros sete skinheads acusados de vários crimes violentos, poderá ser amenizada. Ontem, o tribunal de Loures, em vez de ler a sentença, tal como estava previsto, emitiu um despacho a alterar a qualificação jurídica de alguns dos ilícitos imputados a vários elementos daquele grupo, diminuindo a moldura penal a alguns dos crimes que constam na acusação. Por exemplo, o rapto, com uma pena prisão prevista de três a quinze anos, foi substituído por sequestro agravado, com pena de dois a 10 anos. Um dos roubos e um dos sequestros deixaram também de ser considerados agravados. A leitura da sentença ficou agendada para dia 17.

Os advogados dos oito arguidos foram apanhados de surpresa com as alterações apresentadas nesta fase do processo pela juíza Susana Fontinha . Neste sentido, pediram cinco dias para contestarem. É que se, por um lado, alguns crimes amenizam, por outro também alguns dos arguidos viram imputados novos ilícitos que antes não contavam na acusação, como por exemplo, o crime tentado de coacção.

Exclusivos