PNR presta homenagem a japoneses do 'Eixo'

O dirigente do PNR, Pedro Frade, visita santuário que homenageia soldados do Japão caídos na 2.ª Guerra Mundial.

O vice-presidente do Partido Nacional Renovador (PNR) e responsável das Relações Externas, Pedro Frade, assistiu a semana passada a um congresso em Tóquio, no Japão, com outros representantes de partidos nacionalistas nipónicos e da Europa, incluindo o presidente da Frente Nacional francesa, Jean-Marie Le Pen.

Ao DN, o líder dos nacionalistas portugueses, José Pinto-Coelho diz que foi um encontro para tratar da "posição contra o multiculturalismo e o desenvolvimento dos diferentes partidos nacionalistas nos seus países, assim como estreitar laços para o futuro".

Mas a parte mais polémica aconteceu no passado sábado, durante a visita ao santuário de Yasukuni, onde se honra a memória dos soldados japoneses caídos na Segunda Guerra Mundial. O facto não deixa de ser controverso, pois o Japão invadiu Timor em 1942, durante a Segunda Grande Guerra. Pinto-Coelho reage dizendo que "sempre honraremos os combatentes que caem pela sua nação, isto é posto acima de eventualidades históricas", em referência a Timor-Leste, onde apesar de nunca se estabelecer formalmente o estado de guerra entre Portugal e o Japão, militares e voluntários civis portugueses combateram ao lado das tropas australianas e holandesas contra os invasores japoneses. "Foi uma questão estratégica do Japão, uma circunstância que nos foi alheia" acrescenta o líderdo PNR.

O encontro, sob o título "O futuro dos movimentos nacionalistas", foi organizado pela associação nacionalista japonesa Issuikai, que convidou partidos políticos pertencentes à Aliança Europeia de Movimentos Nacionais(AEMN), embora estivessem também presentes outras formações nacionalistas com assento no Parlamento Europeu, mas que por enquanto ainda não são membros efectivos da AEMN.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG