PNR presta homenagem a japoneses do 'Eixo'

O dirigente do PNR, Pedro Frade, visita santuário que homenageia soldados do Japão caídos na 2.ª Guerra Mundial.

O vice-presidente do Partido Nacional Renovador (PNR) e responsável das Relações Externas, Pedro Frade, assistiu a semana passada a um congresso em Tóquio, no Japão, com outros representantes de partidos nacionalistas nipónicos e da Europa, incluindo o presidente da Frente Nacional francesa, Jean-Marie Le Pen.

Ao DN, o líder dos nacionalistas portugueses, José Pinto-Coelho diz que foi um encontro para tratar da "posição contra o multiculturalismo e o desenvolvimento dos diferentes partidos nacionalistas nos seus países, assim como estreitar laços para o futuro".

Mas a parte mais polémica aconteceu no passado sábado, durante a visita ao santuário de Yasukuni, onde se honra a memória dos soldados japoneses caídos na Segunda Guerra Mundial. O facto não deixa de ser controverso, pois o Japão invadiu Timor em 1942, durante a Segunda Grande Guerra. Pinto-Coelho reage dizendo que "sempre honraremos os combatentes que caem pela sua nação, isto é posto acima de eventualidades históricas", em referência a Timor-Leste, onde apesar de nunca se estabelecer formalmente o estado de guerra entre Portugal e o Japão, militares e voluntários civis portugueses combateram ao lado das tropas australianas e holandesas contra os invasores japoneses. "Foi uma questão estratégica do Japão, uma circunstância que nos foi alheia" acrescenta o líderdo PNR.

O encontro, sob o título "O futuro dos movimentos nacionalistas", foi organizado pela associação nacionalista japonesa Issuikai, que convidou partidos políticos pertencentes à Aliança Europeia de Movimentos Nacionais(AEMN), embora estivessem também presentes outras formações nacionalistas com assento no Parlamento Europeu, mas que por enquanto ainda não são membros efectivos da AEMN.

Exclusivos