PNR afixa novo cartaz contra imigração

Depois de em 2007 um cartaz do PNR ter gerado polémica ao desejar "boa viagem" aos imigrantes, o partido nacionalista voltou ontem à carga. Mudou o slogan e a localização, mas a mensagem mantém-se. "Imigração? Nós dizemos não!", é a frase ostentada num outdoor afixado na rotunda de Entrecampos, em Lisboa.


No cartaz , uma ovelha branca, que representa o PNR , expulsa as ovelhas negras de Portugal. Estas últimas representam aquilo que o partido considera os "cancros do País": criminalidade, desemprego, baixos salários, multiculturalismo, fronteiras abertas e subsidiodependência.


José Pinto-Coelho confessa que o timing do aparecimento do cartaz não foi inocente. "Esta onda de criminalidade está intimamente ligada aos imigrantes, e foi esse um dos motivos que nos levou a afixá -lo nesta altura", assegura o líder do PNR . Pinto-Coelho diz ainda que o cartaz "serve para alertar para o que se passa em Portugal e que mais nenhum partido tem coragem para revelar".


O cartaz "não surpreende" André Costa Jorge, director do Serviço Jesuíta aos Refugiados (SJR), uma associação que apoia imigrantes e refugiados. "O cartaz é infeliz, uma imagem violenta e agressiva. Exprime uma atitude xenófoba e de racismo, o que não me espanta, vindo do partido que vem", adverte.

 
O director do SJR garante que "a colagem da onda de criminalidade aos imigrantes é falsa". Costa Jorge é contra a continuidade do cartaz e deixa o repto: "Espero que a Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial [CICDR] aja."


A Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação respondeu através de um comunicado. A presidente da comissão Rosário Farmhouse, considera que esta é "uma tentativa de atingir e ofender uma comunidade de cidadãos que residem e trabalham em Portugal."

 
No mesmo documento, a CICDR condena o teor do cartaz , "atendendo aos riscos de desinformação que pode injustamente prejudicar a comunidade imigrante em Portugal."Rosário Farmhouse garante ainda que "a sociedade portuguesa não se identifica com este tipo de mensagens, visto que se trata de um partido que obteve apenas 0,16% nas últimas eleições legislativas."

Exclusivos