Mário Machado condenado a 86 meses de prisão efectiva

Mário Machado, dirigente da Frente Nacional, movimento conotado com a extrema direita, foi hoje condenado a sete anos e dois meses de prisão efetiva por crimes de coação, roubo, sequestro e posse ilegal de arma.

O Tribunal de Loures absolveu porém Mário Machado e os restantes sete homens que foram julgados com ele da acusação de associação criminosa.

Além de Mário Machado, outros quatro arguidos foram condenados neste julgamento: Rui Dias a nove anos de prisão efectiva, Fernando Massas Gonçalves a sete anos e dez meses de prisão efectiva, Nuno Cerejeira a dois anos e dois meses de prisão com pena suspensa por igual período e João Dourado a dez meses de prisão com pena suspensa por um ano.

Os cinco foram condenados por dois crimes de coação, três de roubo, três de sequestro e dois de posse ilegal de arma.

Bruno Monteiro, Bruno Ramos e Nuno Themudo foram absolvidos de todas as acusações.

O julgamento de Mário Machado e dos outros sete arguidos iniciou-se a 25 de Março.  

Segundo a acusação, Mário Machado era o alegado líder do grupo que atraía vítimas para locais pré-estabelecidos, com o pretexto de lhes vender droga. As vítimas eram agredidas e depois roubavam-lhes o dinheiro e os automóveis.

Mário Machado, Fernando Massas Gonçalves e Rui Dias estavam detidos preventivamente por causa deste processo.