Marinho Pinto: 'Se fosse Duarte Lima ia ao Brasil defender-me'

O bastonário da Ordem dos Advogados referiu esta quinta-feira no "Jornal da Uma" da TVI que se estivesse no lugar do antigo deputado ia ao Brasil defender-se das acusações.

CLIQUE AQUIpara ver a entrevista de Marinho Pinto à TVI.

"Eu se fosse o dr. Duarte Lima, e realmente estivesse inocente como ele diz que está, ia ao Brasil defender-me. Quem não deve não teme. Há factos terríveis que é preciso desmontar em tribunal e não refugiarmo-nos no formalismo", referiu Marinho Pinto

"A ordem jurídica brasileira, a justiça brasileira em muitos aspectos está muito à frente da justiça portuguesa. Eu, como qualquer cidadão, ia lá defender-me, custasse o que custasse, corresse o risco que corresse, porque se não vai ficar toda a vida marcado com o estigma da dúvida", prosseguiu.

Para Marinho Pinto, é praticamente impossível que Duarte Lima seja julgado em Portugal. "Eu considero isso muito inviável. Seria impossível haver uma condenação com provas obtidas noutra ordem jurídica", adiantou.

Marinho Pinto falou ainda da possibilidade de Duarte Lima ser julgado à revelia, acrescentando que se trata da situação "mais provável". Mas lembrou que isso, a acontecer, e se o ex-deputado fosse condenado, nunca cumpriria a pena em Portugal, dando como exemplo o sucedido no famoso caso do padre Frederico, que fugiu para o Brasil, onde ficou em liberdade, e foi condenado em Portugal. "[Duarte Lima] ficaria em liberdade vigiada para o resto da vida. Se desse um passo para fora do país, seria preso".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...