Mário Lino nega plano de privatização de águas

O antigo presidente da Águas de Portugal confirmou à TSF que chegou a ser estudada em 2000 a hipótese da EDP vir a ter uma participação no capital da empresa, mas negou qualquer plano de privatização.

A privatização parcial da Águas de Portugal foi estudado há 11 anos, quando José Sócrates era ministro do Ambiente, segundo o Público.

A notícia cita vários documentos confidenciais elaborados em 2000, alguns dos quais assinados por Mário Lino, e outros corrigidos por José Sócrates.

A TSF falou esta manhã com Mário Lino, na altura presidente do grupo Águas de Portugal, que negou que houvesse algum plano para privatizar a empresa.

"Não houve nenhum plano para privatizar as Águas de Portugal o que foi estudado com a EDP foi uma participação, na ordem dos 20 por cento, no capital das Águas de Portugal na base de uma actividade conjunta em áreas de interesse comum", esclareceu.

"O que o PS defende é que as Águas de Portugal devem continuar sobre o controlo do Estado", frisou Mário Lino, considerando que a posição do PS é hoje a mesma de sempre.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG