Portugal Pro Vida apresenta queixa na ERC

O partido Portugal Pro Vida entrega hoje à tarde na Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) uma queixa contra a exclusão dos líderes dos partidos sem assento parlamentar do ciclo de debates televisivos que hoje arrancam.

"Há uma forte discriminação dos partidos extra-parlamentares, que têm direito a ter uma voz activa, a exporem as suas ideias e a apresentá-las aos portugueses. O que pretendem é amordaçar-nos. Não nos querem dar os mesmos meios, com um confronto de ideias de forma equitativa", afirmou Miguel Matel, segundo na lista do partido pelo círculo de Lisboa às eleições legislativas, em declarações à agência Lusa.

As três televisões generalistas - RTP, SIC e TVI - decidiram inicialmente realizar um conjunto de dez debates a dois com os líderes dos cinco partidos com assento parlamentar, tal como o modelo adoptado em 2009. No entanto, na quinta-feira, após conversações com a ERC (Entidade Reguladora da Comunicação Social) as três estações anunciaram um novo modelo.

Afirmando não ter ainda conhecimento dos moldes dos novos debates e entrevistas, o candidato exige um "acesso aos meios de comunicação social de forma igual" ao dos partidos com assento parlamentar, apontando, por exemplo, a duração diferenciada dos tempos de antena.

"Entendemos que o tempo de antena deveria ser igualmente repartido por todos. Os meios de comunicação social têm de ter uma postura igualitária para que os portugueses possam conhecer novos movimentos, novas ideias, novas alternativas e novas pessoas", defendeu.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG