PCTP/MRPP e MPT acusam televisões de quererem "neutralizar" providências cautelares

O PCTP/MRPP e o MPT consideram que os debates e entrevistas televisivas com os partidos sem assento parlamentar constituem uma "dupla discriminação" e uma tentativa de "neutralizar o efeito" das providências cautelares.

As três televisões generalistas - RTP, SIC e TVI - decidiram inicialmente realizar um conjunto de dez debates a dois com os líderes dos cinco partidos com assento parlamentar, tal como o modelo adoptado em 2009. No entanto, na quinta-feira, anunciaram que o leque foi aberto aos partidos sem assento.

Para o PCTP/MRPP, esta decisão "continua a dar cobertura à discriminação que constitui a iniciativa ilegal dos canais de televisão em causa de promoverem debates apenas" entre os partidos representados no Parlamento.

"Por outro lado, esta decisão tem ainda em vista neutralizar o efeito útil das providências cautelares que se acham pendentes", apresentadas por PCTP/MRPP, MPT e Movimento Esperança Portugal, acrescenta o partido, em comunicado.

Já o MPT - Partido da Terra considera também que a iniciativa visa criar junto da opinião pública e dos tribunais a ideia de que as televisões "irão em pé de igualdade dar as mesmas oportunidades de tempo de antena a todas as forças políticas concorrentes ao acto eleitoral".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG