MEP debate na TV com 8 partidos nos últimos 2 dias

O Movimento Esperança Portugal (MEP) vai debater com oito partidos nas três televisões generalistas, na sequência da sentença do Tribunal de Oeiras e da disponibilidade manifestada pelos concorrentes às eleições legislativas de 5 de Junho.

À semelhança da sentença ao requerimento do PCTP-MRPP, o tribunal de Oeiras deu razão à providência cautelar do MEP e determinou que as televisões organizem debates entre os partidos que confirmarem disponibilidade. Numa visita à urbanização Terraços da Ponte, Loures, o líder do MEP, Rui Marques, informou à Lusa estar a ser encontrada com as televisões a solução para decorrerem os debates nos dois dias que restam de campanha eleitoral.

"E dar um cumprimento cabal à decisão do tribunal", disse Rui Marques, acrescentando que a disponibilidade foi manifestada por oito partidos, nenhum dos quais com assento parlamentar. O líder do MEP argumentou que os chamados cinco 'grandes' "consideram-se acima da realidade e não estão na disposição de debater com partidos de igual dignidade".

O PCTP/MRPP está entre os "que não confirmaram", afirmou o líder partidário, que considerou "estranho" Garcia Pereira não ter comparecido nos debates agendados ao abrigo da determinação judicial à providência cautelar que interpôs. "Mas não me compete a mim dar explicações", acrescentou.

Na urbanização Terraços da Ponte, que anteriormente era conhecida como bairro Quinta do Mocho, Rui Marques quis conhecer o trabalho de uma associação ligada ao apoio a crianças e jovens. Recordando o seu passado ligado à imigração, o agora líder do MEP regozijou-se por atualmente milhares de imigrantes terem melhores condições de vida e por Portugal estar no lugar cimeiro nas classificações das politicas de acolhimento a estrangeiros.

Na visita, Rui Marques esteve acompanhado pela antiga provedora da Casa Pia Catalina Pestana, que confessou ter feito parte dos indecisos até à semana passada: "Eu não sabia em quem votar. Era a primeira vez em 34 anos que isso me acontecia até que o copo deitou a água por fora e nunca mais voto útil", garantiu à Lusa. Para Catalina Pestana, esse voto "só é útil para quem chega ao poder e faz tudo ao contrário do que prometeu".

Entre responsáveis do projecto Esperança e jovens moradores do bairro, os visitantes do MEP conseguiram um pouco do tempo de Luís Castro Semedo.

Entre a "recuperação" de um telemóvel que chegou ao bairro sem o dono oficial e uma visita ao estádio do Sporting, o mediador numa escola de Sacavém partilhou o seu trabalho e o orgulho de ver o bairro mudar para melhor. Mas à questão sobre se isso mudou a vida de alguém, o jovem Luís é humilde: "Os jovens dizem boa tarde e cumprimentam-nos e isso já é uma diferença".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG