Setúbal- CDU ganha nove de 13 muncípios mas perde Sines e maioria absoluta em Almada



A CDU venceu as eleições autárquicas no distrito de Setúbal, mas perdeu a maioria absoluta em Almada e a câmara de Sines para o independente Manuel Coelho.

O ex-comunista Manuel Coelho não só venceu as eleições em Sines com maioria absoluta (43,86 por cento), com quatro eleitos, como relegou a CDU para terceira força política (apenas um eleito), atrás do PS, que garantiu a eleição de dois vereadores.

Em Almada, a candidatura de Paulo Pedroso (PS) terá sido um elemento perturbador para a candidatura de Maria Emília de Sousa, que perdeu a maioria absoluta (a CDU passou de 6 para apenas quatro eleitos), não obstante continuar a ser a força política mais votada do concelho.

Ao contrário do que aconteceu em Almada, a CDU conseguiu reforçar a votação e alcançar a maioria absoluta no Barreiro com Carlos Humberto, autarca que há quatro anos tinha conquistado o município ao PS.

Em Palmela, um concelho onde o PS também apostou forte com a candidatura de Fonseca Ferreira, a CDU conseguiu manter a maioria absoluta com Ana Teresa Vicente.

Como se esperava, nos concelhos de Alcochete, Moita e Seixal, a CDU também foi a força política mais votada, a exemplo do que tinha acontecido há quatro anos.

A sul do distrito, a CDU também manteve a maioria absoluta em Santiago do Cacém, que constitui agora o único concelho comunista no litoral alentejano, dado que Alcácer do Sal e Grândola têm maioria socialista.

Em termos globais, o PS consolidou a posição de segunda força política do distrito, no que respeita ao poder autárquico, mantendo a maioria absoluta nas câmaras municipais do Montijo, com Maria Amélia Antunes, e de Grândola, com o independente Carlos Beato.

 Em Alcácer do Sal, um concelho conquistado há quatro anos pelo PS à CDU, o candidato imposto pela Federação Distrital contra a vontade da concelhia socialista, também conseguiu a reeleição, com maioria absoluta.

 PSD e CDS continuam sem conseguir conquistar uma única câmara no distrito de Setúbal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.