PS ganha Câmara de Leiria em distrito alaranjado

Foi (mais) uma derrota para Manuela Ferreira Leite. A líder do PSD impôs a recandidatura de Isabel Damasceno à Câmara de Leiria, contra a opinião das estruturas concelhia e distrital, e, após uma campanha repleta de divergências internas, o partido acabou por perder a capital de distrito. Damasceno, que concorria a um quarto mandato, conseguiu apenas 38,84% dos votos. O PS soube aproveitar a situação da melhor forma. Raul Miguel Castro, o mesmo candidato das duas últimas eleições autárquicas, conquistou finalmente a presidência da Câmara de Leiria. Mas, como se isto não fosse suficiente, o PS conseguiu também recuperar a Câmara da Marinha Grande que, há quatro anos, tinha perdido para os comunistas. Feitas as contas, são quatro as câmaras socialistas num distrito que se mantém predominantemente laranja: o PSD obteve 45,18% dos votos e onze câmaras. Tal como em 2005, o PCP-PEV venceu em Peniche.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...