Cascais- Candidata do PS "nada surpreendida" com vitória de António Capucho

A candidata socialista à Câmara de Cascais, Leonor Coutinho, não se mostrou surpreendida com a vitória da coligação PSD/CDS-PP, encabeçada por António Capucho, garantindo, no entanto, que permanecerá na autarquia como vereadora da oposição.

"Não estou nada surpreendida. Este resultado era o mais provável, dado que já existia uma maioria. Normalmente, quem está no poder mantém o seu lugar", afirmou a candidata, sublinhando que "estas eleições não permitiram fazer muita campanha, o que não favoreceu qualquer alternativa".

Leonor Coutinho garantiu ainda à agência Lusa que continuará na Câmara de Cascais como vereadora da oposição. Relativamente à elevada abstenção, a candidata socialista considera que "isso é sempre um sinal de descontentamento de pessoas que não vêem alternativa".

Leonor Coutinho disse ter feito o melhor que sabia fazer, admitindo, contudo, que "não é de um dia para o outro que as pessoas aprendem a confiar nas pessoas".

De acordo com os resultados finais avançados pela RTP, a coligação "Viva Cascais" (PSD/CDS-PP) conquistou 53 por cento dos votos, enquanto que o PS conseguiu 26,7  por cento a CDU 9,2  por cento e o Bloco de Esquerda arrecadou seis por cento dos votos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Líderes

A União Europeia e a crise dos três M. May, Macron e Merkel

Já lhe chamam a crise dos três M. May, Macron e Merkel, líderes das três grandes potências da UE, estão em apuros. E dos grandes. Numa altura em que, a poucos meses das eleições para o Parlamento Europeu, florescem populismos e nacionalismos de toda a espécie, pela Europa e não só, a primeira-ministra do Reino Unido, o presidente de França e a chanceler da Alemanha enfrentam crises internas que enfraquecem a sua liderança e, por arrastamento, o processo de integração da UE.