Portas considera "alta" a taxa de juro da UE

O líder do CDS-PP considerou hoje "alta" a taxa de juro cobrada a Portugal pela União Europeia, percentagem que "talvez tivesse sido melhor" se o país tivesse recorrido a ajuda externa "mais cedo".

"Os juros cobrados pelo FMI, de 3,5 por cento são bons, mas a taxa cobrada pela UE é alta", disse Paulo Portas no final da visita a uma fábrica de confeções em Oliveira do Hospital.

O comissário europeu da Economia, Olli Rehn, revelou terça-feira em Estrasburgo que a taxa de juro do empréstimo a Portugal deverá ser de cerca de 5,5 por cento com o país a regressar ao mercado financeiro antes do fim da assistência.

Portas recordou que na última emissão de dívida "Portugal pagou 6,5 por cento e no mercado secundário a mais de 10 por cento" e afirmou que "talvez tivesse sido melhor" se o empréstimo "tivesse sido pedido mais cedo quando os juros estavam mais baratos".

Portas iniciou a sua visita à cidade com uma visita à Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Oliveira do Hospital, onde se referiu ao conceito de "elevador social" que segundo disse "define uma sociedade mais justa".

Para o líder do CDS-PP "é a educação que faz uma sociedade melhor" e que "em Portugal este elevador está parado", afirmou. "É necessário apostar nas vocações técnicas" dos nossos jovens, disse Portas adiantando que "é preciso começar mais cedo a formação profissional".

Segundo Portas o país precisa de vocações técnicas "como de pão para a boca" e afirmou ser necessário que as escolas criem "um índice de empregabilidade dos cursos" para que "os jovens possam avaliar melhor as saídas profissionais".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG