Uma cerimónia austera e repleta de simbologia

Na catedral, o rígido protocolo não impediu a troca de olhares e gestos entre os noivos.

Durante as quase quatro horas que durou o acto da boda real, transmitido em mais de uma centena de países pelas TV e visto por mais de mil milhões de pessoas, Felipe de Borbón, de 36 anos, e sua esposa, de 31, princesa das Astúrias e futura rainha, não esconderam a emoção nem deixaram de trocar olhares, gestos e cumplicidades de amor e afecto nada protocolacares. Mostraram que foi um casamento por amor, como Felipe sempre exigiu, mas também de resposta aos interesses de Estado e de sintonia e proximidade com os cidadãos. Um acontecimento institucional e mediático, apenas desluzido pela chuva torrencial que caiu sobre Madrid e que, simbolicamente, começou um minuto antes de a noiva se dirigir do Palácio Real para a Catedral de Almudena.

Minutos depois de o noivo e de o resto dos convidados terem entrado no templo - sem chuva -, dá-se uma improvisação no protocolo externo: Letizia , a mais esperada, teve que fazer o trajecto de 200 metros de passadeira vermelha que a separavam da catedral num Rolls-Royce, e não a pé, como estava previsto.

Aclamada pela multidão mais resistente, que a esperava nas ruas, sob um forte aguaceiro, Letizia entrou na igreja «espetacular, guapíssima», como diziam os populares entrevistados pelas televisões.

O vestido de seda natural, branco-marfim, com gola de chaminé, cauda de 4,5 metros e bordado com motivos heráldicos, desenhado pelo prestigiado modista espanhol Pertegaz, aproximavam-na, segundo os comentadores, de uma princesa de um conto de fadas medieval. Apesar disto, nem a sumptuosidade do traje conseguiu disfarçar os quilos que Letizia tem perdido.

No interior de Almudena, pouco antes das 12.00, após o príncipe pedir o consentimento do pai e Rei de Espanha, como indica a tradição monárquica, os noivos pronunciavam o «sim, quero» e prometiam-se amor eterno, perante o arcebispo, cardeal de Madrid e presidente da Conferência Episcopal, Antonio Maria Rouco, que oficiou a cerimónia religiosa.

Ao som do allegro, do concerto para órgão e orquestra Opus 7 número 3 de Handel, os noivos trocaram as alianças e receberam as arras - 13 moedas de ouro, símbolo tradicional da boa economia do lar. Como testemunhas, a família real, os máximos representantes do Estado espanhol, dos partidos políticos, da sociedade, membros de mais de 30 casas reais, entre elas a portuguesa, e de uns quinze chefes de Estado, como o português Jorge Sampaio ou o histórico Nelson Mandela.

Fora da catedral, assistiam mais de mil milhões de telespectadores de todo o mundo que seguiam o acto pela TV, ou de meia Espanha, que quase paralisou durante o casamento. Uma simbiose de tradição e de modernidade, que marca o início e sintonia de uma nova etapa da monarquia espanhola.

A cerimónia religiosa, com um guião litúrgico austero, repleto de simbologia, não deixou esconder, no entanto, a emoção dos noivos. Além dos textos litúrgicos, o cenário foi acentuado pela música e pela transmissão televisiva que não escondeu alguns pormenores anedóticos - que também os houve -, e , de modo especial, a sensibilidade emotiva e cúmplice com que os Reis Juan Carlos e Sofia viveram a cerimónia.

A chuva terminou um pouco antes de os recém-casados saírem - com a família real em peso -, à varanda do Palácio do Oriente, para saudar os cidadãos. Perante o tradicional beijo - que não passou de um beijo na face -, os madrilenos aplaudiam na praça, numa altura em que, finalmente, começava a despontar o sol.

Convidados

Os portugueses e outros mexericos

À última hora, Maria José Ritta desistiu do duvidoso vestido verde-ervilha e optou por um conjunto salmão; Jorge Sampaio surgiu na «foto de família» da boda mesmo ao centro, ao lado de Juan Carlos; Jorge Arnoso, José Manuel Espírito-Santo, Ricardo Salgado e Francisco Cruz Martins foram os amigos portugueses convidados pelo rei, e dois Joões - Brito e Cunha e Pereira Coutinho - pelo príncipe.

Todos com as respectivas mulheres. A rainha da Holanda faltou à boda. Voltou ao seu país na tarde do mesmo dia em que chegou.

Ernst de Hanôver, o marido de Carolina do Mónaco, também desapareceu.

Aguentou até ao jantar mas não acompanhou a mulher à catedral nem ao almoço. Até ao fecho desta edição, ninguém sabia dele.

Dão-se alvíssaras.

Votos

«Sou feliz, casei-me com a mulher que amo»

«Soy un hombre feliz, me he casado con la mujer que amo.» Foi com estas palavras que o príncipe Felipe deu início ao almoço celebrado ontem no Palácio Real. Durante o brinde, o herdeiro do trono espanhol não escondeu a sua emoção. «Não posso nem quero escondê-lo, imagino que salte à vista: sou um homem feliz. E tenho a certeza de que esta condição vem da emoção de ver e protagonizar a realização de um desejo: casei-me com a mulher que amo.»

Ao seu discurso, o primeiro depois de casado, não fugiu o sentido de Estado. «Responsabilidade», «trabalho» e «compromisso pessoal e institucional para com Espanha» foram outras das palavras ouvidas.

Mesmo porque Felipe sabe que o seu casamento está longe de lhe pertencer apenas a si. «O compromisso que Letizia e eu assumimos hoje transcende o meramente pessoal. Desde muito pequeno que tomei consciência das minhas responsabilidades. A lealdade ao Rei e o sentido de dever guiaram a minha vida».

O mesmo foi lembrado pelo seu pai, Juan Carlos. O Rei pediu aos noivos que «pensassem sempre em Espanha», «com amor e devoção», e que dedicassem «os seus esforços aos espanhóis, para unir as suas esperanças e compartilhar as suas ilusões». E para a princesa das Astúrias: «Querida Letizia , recebemos-te de braços abertos e com o maior carinho na nossa família. A Rainha e eu desejamos que tenham uma vida repleta de felicidade e entrega mútua.» O casamento é «um símbolo de esperança, de continuidade e de estabilidade da monarquia». Perante os 1700 convidados do banquete, Juan Carlos não se cansou de expressar a sua felicidade, «sempre difícil de conter, quer como pai, quer como Rei».

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.