Presidente do Azerbaijão comparado "Padrinho" mafioso

A embaixada dos Estados Unidos em Baku condenou sexta-feira a difusão pelo site Wikileaks de documentos diplomáticos que comparam o presidente do Azerbaijão, Ilham Aliev, a um chefe mafioso do filme "O Padrinho" de Francis Ford Copolla.

Em paralelo, um outro telegrama revelado pelo site refere que Vladimir Putin, na ocasião Presidente da Rússia, tinha "olhos de assassino" quando se referia à Chechénia. A divulgação de informações confidenciais é "ilegal e repreensível", declarou o encarregado de negócios norte-americano em Baku, Adam Sterling.  "Os telegramas diplomáticos são muitas vezes informações preliminares e incompletas da política externa e não representam a política americana", acrescentou em comunicado difundido pelo site da embaixada nesta antiga república soviética do Cáucaso.

Uma das notas reveladas pelo Wikileaks indica que o presidente Aliev, que sucedeu a seu pai Heidar Aliev, se tornou "cada vez mais autoritário" no seu país, apesar de parecer mais pragmático em termos de política externa. "Esta diferença de comportamentos (...) conduziu certos observadores a comparar os Aliev aos Corleone, do filme 'O Padrinho'", refere o documento, redigido em setembro de 2009.

De acordo com as informações, o chefe de estado azeri criou uma complexa rede de grupos "fortemente armados" que estariam na origem do "crime organizado que reina em diversos bairros, e que leva alguns analistas a pensar que desempenha uma função na máfia local". Numa primeira reação, o Presidente azeri considerou uma "provocação" a divulgação destes documentos. Uma outra nota norte-americana difundida em 2004 e também divulgada pelo Wikileaks revela que, na opinião do então chefe da diplomacia europeia, o britânico Chris Patten, Putin exibia "olhos de assassino" quando se referia à Chechénia.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG