Criança de sete anos encontrada com vida após três semanas

Martunis sobreviveu 19 dias tendo como agasalho a camisola da selecção portuguesa

Uma criança de sete anos foi ontem encontrada com vida numa praia isolada de Banda Aceh, na Indonésia, três semanas após o tsunami ter varrido a região. Martunis é o mais recente sobrevivente da onda gigante e foi encontrado por uma equipa da televisão inglesa SkyNews desidratado, assustado e mal nutrido. Durante 19 dias, sobreviveu comendo restos que o mar lhe trazia e tendo como agasalho uma camisola da selecção portuguesa de futebol.

Segundo contou Martunis, no momento em que a terra foi invadida pelo mar tentou entrar para um camião. Mas a viatura, dentro da qual os pais tentavam escapar ao tsunami, acabou por ser arrastada pela força das águas e a criança ficou à deriva. A fúria do maremoto levou os seus pais. Ontem, os jornalistas ingleses que preparavam uma reportagem sobre o impacto da tragédia nos pescadores de Banda Aceh encontraram a criança e transportaram-na para a sede da organização Save the Children. «Tinha picadas de mosquitos e estava muito magro», contou o repórter inglês. Depois de lhe darem água e comida, os voluntários levaram a criança para um hospital, onde foi observada. Os médicos confirmaram estar saudável, apesar do cansaço e franqueza. E, depois do milagre da sobrevivência, o milagre do reencontro. No hospital, um outro sobrevivente reconheceu Martunis. Pouco tempo depois, o pai e a avó acorreram incrédulos ao local.
retirada. Os EUA anunciaram ontem que vão retirar, logo que seja possível, os seus militares das zonas afectadas pelo tsunami.

Durante uma visita a Ache, na Indonésia, o secretário da defesa norte-americano, Paul Wolfowitz afirmou que os seus militares «têm muito trabalho para fazer» e darão como terminado o esforço de reconstrução na Ásia «logo que possam passar a responsabilidade a outros». O que deverá acontecer antes do fim de Março.

Os americanos enviaram mais de 15 mil soldados para a região num momento em que as suas acções no Iraque e Afeganistão continuam a ser um grande sorvedouro de recursos para as forças militares daquele país. Por isso, querem passar a ajuda humanitária para s autoridades locais, tal como explicou Paul Wolfowitz.

«Não temos outro plano que não o de trabalhar o mais rapidamente possível para podermos passar a responsabilidade a outros, em especial ao governo indonésio», afirmou. Além disso, acrescentou, «para qualquer país, a permanência de tropas estrangeiras no seu território é uma questão sensível. E para Indonésia é extremamente sensível». A província de Aceh é a zona mais afectada pelo tsunami de 26 de Dezembro, com 110 mil dos 163 000 mortos provocados pela tragédia.


 

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG