Dois militares portugueses feridos no Afeganistão

Dois militares portugueses ficaram com ligeiras escoriações.
 

Dois militares portugueses sofreram ligeiras escoriações na sequência de uma emboscada a uma coluna de viaturas da Força Nacional Destacada registada quinta-feira no sul do Afeganistão, anunciou ontem fonte oficial. De acordo com um comunicado do Estado-Maior-General das Forças Armadas, a coluna foi alvo da emboscada às 23:30 locais de quinta-feira (20:00 em Lisboa) a oeste de Kandahar, no sul do Afeganistão.

A coluna, de acordo com a mesma fonte, efectuava na altura um "deslocamento não operacional de regresso à base". Na sequência da emboscada, uma das viaturas capotou, provocando "ligeiras escoriações" em dois militares.

No passado dia 25 de Maio um soldado português tinha sofrido ferimentos ligeiros em resultado de uma emboscada durante uma patrulha a pé, perto de Kandahar, no Afeganistão. O militar ferido, o primeiro-sargento Carlos Alberto da Silva Barry, foi retirado depois, de helicóptero, para o hospital de campanha em Kandahar.

Portugal tem cerca de 150 militares portugueses às ordens da força internacional da NATO , que comanda no Afeganistão a maior operação dos seus quase 60 anos de história. Destes militares, a maioria (140) pertence à Brigada de Reacção Rápida do Exército e os restantes controladores da Força Aérea portuguesa. Esta é a segunda vez que os militares portugueses estão destacados na região de Kandahar. Em Novembro de 2005, um militar português morreu e outro ficou gravemente ferido na explosão de uma bomba.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.