Política de Maduro influenciada por ensinamentos de guru indiano

Depois de o ídolo e mentor Hugo Chavéz o ter nomeado seu sucessor, Nicolás Maduro recebeu agora a bênção do movimento do seu guru, o líder espiritual índio Sathay Sai Baba, falecido em 2011 aos 84 anos.

A relação de Maduro com o guru remonta a 2005, quando o vice-presidente venezuelano visitou a Índia. A esta visita seguiram-se outras nos anos seguintes, já que o homem forte do chavismo estava convencido dos benefícios que poderiam ocorrer-lhe por passar tempo na companhia do famoso santo.

Em algumas ocasiões, muitas das quais enquanto liderava a Assembleia Nacional, Maduro e a mulher, Cilia Flores, procuradora-geral da Venezuela, rodeavam-se de amigos e hospedavam-se numa residência VIP do Centro de Sai Baba, na localidade de Puttaparthi, contou à agência espanhola Efe o seu porta-voz, A. Anantharaman, que diz acreditar que "a sua fé pode influenciar a sua forma de fazer política".

Antigo maquinista do metro em Caracas, sindicalista, presidente da Assembleia Nacional, ministro dos Negócios Estrangeiros, vice-presidente e agora Presidente da Venezuela, Maduro combinou sempre a sua profissão com a fé, tendo em cada um dos seus escritórios e locais de trabalho um fotografia do seu "santo", falecido em 2011.

Embora possa parecer estranha esta veneração a um guru indiano, o movimento Sai Baba (que gere cerca de 6800 milhões de euros em doações) foi criada na Venezuela nos anos 70 e desfruta de uma grande popularidade no país, com cerca de 200 mil seguidores. De facto, quando o guru morreu, há cerca de dois anos, o Parlamento da Venezuela emitiu uma declaração de luto nacional.

Sai Baba, cujo verdadeiro nome era Sathyanarayana Raju, ainda tem milhões de fãs em todo o mundo, incluindo políticos, atores e atletas, que seguem os seus ensinamentos baseados na "universalidade do amor, na verdade e na paz". Muito popular nos anos 70, vangloriou-se de milagres e afirmou ser capaz de obter alimentos das cinzas.

Embora vários discípulos afirmem ter sido abusados sexualmente pelo "santo", este nunca foi formalmente acusado pela polícia, tendo mesmo um ex-ministro indiano falado publicamente em sua defesa. No seu funeral não faltaram personalidades importantes como Sonia Gandhi.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?