Política de Maduro influenciada por ensinamentos de guru indiano

Depois de o ídolo e mentor Hugo Chavéz o ter nomeado seu sucessor, Nicolás Maduro recebeu agora a bênção do movimento do seu guru, o líder espiritual índio Sathay Sai Baba, falecido em 2011 aos 84 anos.

A relação de Maduro com o guru remonta a 2005, quando o vice-presidente venezuelano visitou a Índia. A esta visita seguiram-se outras nos anos seguintes, já que o homem forte do chavismo estava convencido dos benefícios que poderiam ocorrer-lhe por passar tempo na companhia do famoso santo.

Em algumas ocasiões, muitas das quais enquanto liderava a Assembleia Nacional, Maduro e a mulher, Cilia Flores, procuradora-geral da Venezuela, rodeavam-se de amigos e hospedavam-se numa residência VIP do Centro de Sai Baba, na localidade de Puttaparthi, contou à agência espanhola Efe o seu porta-voz, A. Anantharaman, que diz acreditar que "a sua fé pode influenciar a sua forma de fazer política".

Antigo maquinista do metro em Caracas, sindicalista, presidente da Assembleia Nacional, ministro dos Negócios Estrangeiros, vice-presidente e agora Presidente da Venezuela, Maduro combinou sempre a sua profissão com a fé, tendo em cada um dos seus escritórios e locais de trabalho um fotografia do seu "santo", falecido em 2011.

Embora possa parecer estranha esta veneração a um guru indiano, o movimento Sai Baba (que gere cerca de 6800 milhões de euros em doações) foi criada na Venezuela nos anos 70 e desfruta de uma grande popularidade no país, com cerca de 200 mil seguidores. De facto, quando o guru morreu, há cerca de dois anos, o Parlamento da Venezuela emitiu uma declaração de luto nacional.

Sai Baba, cujo verdadeiro nome era Sathyanarayana Raju, ainda tem milhões de fãs em todo o mundo, incluindo políticos, atores e atletas, que seguem os seus ensinamentos baseados na "universalidade do amor, na verdade e na paz". Muito popular nos anos 70, vangloriou-se de milagres e afirmou ser capaz de obter alimentos das cinzas.

Embora vários discípulos afirmem ter sido abusados sexualmente pelo "santo", este nunca foi formalmente acusado pela polícia, tendo mesmo um ex-ministro indiano falado publicamente em sua defesa. No seu funeral não faltaram personalidades importantes como Sonia Gandhi.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.