Partido Livre admite "provável" derrota eleitoral

"Provavelmente perdemos!", reconheceu o cabeça de lista do Livre, Rui Tavares, numa primeira reação às sondagens desta noite. O assumir da derrota é, no dizer do líder do partido, mais uma prova da diferença que querem marcar na política nacional.

"Se perdemos como é provável, perdemos com brilho, perdemos com orgulho e sabendo o caminho que temos de percorrer", disse Rui Tavares. O caminho é a convergência da esquerda, ja que o objetivo do Livre " é cooperar e não competir", sublinhou aos apoiantes, reunidos no bar Frágil, no Bairro Alto, após serem conhecidas as projeções dando 2,5% dos votos ao partido.

Questionado pelo DN sobre o motivo de assumir a a derrota, se considerava honroso o resultado alcançado, o cabeça de lista de Livre explicou: O objetivo de uma eleição é eleger e, como não elegemos, perdemos", reconheceu, assumindo também a sua parte de responsabilidade na derrota enquanto cabeça de lista.

Apesar destas palavras, o partido mantém alguma esperança: tem a indicação de que há freguesias em Lisboa em que surgem em terceiro e quarto lugares e onde chegam aos 4%. Tem, ainda, grande confiança na diáspora.

Uma nova avaliação será feita após as 22.00, altura em que serão também projetadas as eleições legislativas, consideradas o principal objetivo do partido. ;}

Rui Tavares referiu, ainda, terem-se confirmado os "sinais de exaustão em relação a política partidária portuguesa" e que é "importante que as esquerdas ultrapassem o seu velho entrave a convergência e encontrem formas de irem juntas a jogo".

No Twitter do partido, Rui Tavares complementou a intervenção com uma nota mais positiva: Dito isto, o LIVRE, partido com 8 semanas, poder ser o melhor estreante em eleições europeias. Orgulhamo-nos do partido e da campanha feita".

Exclusivos